Documentários essenciais para uma visão crítica da sociedade

Privacidade Hackeada acompanha Brittany Kaiser, ex-funcionária e delatora do esquema da empresa Cambridge Analytica

Com a capacidade expor a realidade de uma maneira ainda mais desafiadora do que os filmes de ficção, os documentários estão em alta graças aos streamings e estão cada vez mais ousados

Produzir um filme não é nada fácil, é muito mais do que simplesmente contar uma história para entreter, há um trabalho imenso na criação de cada narrativa: tempo, construção de personagem, ambientação, trilha sonora e, claro, dinheiro. Cada segundo é exaustivamente pensado para transformar a experiência de ver uma obra em algo único, quando isso ocorre é mágico e o cinema tem essa capacidade. E tem um gênero que pode e consegue ter um impacto ainda maior na percepção do público sobre as situações cotidianas: o Documentário. 

Ao transpor a realidade para a tela esse modelo cinematográfico tem a força necessária para inspirar, influenciar e chocar. Revelam por vezes a crueldade e beleza do mundo que estamos inseridos de uma maneira mais crua, sem efeitos especiais e grandes reviravoltas, talvez por isso esse gênero seja o mais difícil de se produzir. Ao contrário do que muita gente pensa, não é tão fácil captar histórias reais com a câmera, cada fala cortada ou imagem não inserida no corte final é um pedaço da memória de alguém que fica para trás, ou de uma verdade que precisa ser contada e pode sofrer alterações, por isso um cuidado primoroso é necessário para que se mantenha o mais fiel possível aos fatos.

Os temas são os mais variados, como política, conflitos, saúde e tecnologia. A maneira como é filmado também varia, mas não há uma fórmula mágica ou padronizada, tudo depende da abordagem que será usada e alguns são verdadeiras obras-primas, outros nem tanto. Com a chegada dos streamings ficou ainda mais fácil o acesso a esse gênero, são milhares distribuídos em várias plataformas que aguçam a curiosidade do público. Separamos 3 documentários que questionam e discutem situações atuais e valem muito a pena serem vistos.

Fake News: Baseado em Fatos Reais

Produzido por três jornalistas, André Fran que também dirigiu o longa-metragem, Rodrigo Cebrian e Felipe UFO, esse documentário brasileiro estreou em setembro de 2017 pelo canal pago GloboNews e discute sobre como as Fake News (notícias falsas) nos últimos anos vem interferindo na geopolítica mundial. Acompanhando a trajetória da eleição do Presidente americano Donald Trump e as campanhas que levaram o Reino Unido a sair da União Europeia, conhecido como o “Brexit”; o filme registra o caminho da produção das notícias falsas, passando por Estados Unidos, Inglaterra, Rússia e Macedônia.

É interessante ver como contar mentiras se tornou um negócio rentável para jovens em uma pequena cidade na Macedônia, Vales. Conta como é a construção de links e páginas que tem como intuito conseguir o maior número de acessos e compartilhamentos, sem nenhuma checagem ou apuração. Para esses garotos não há pudor ou culpa, mesmo sabendo que estão interferindo na vida de milhões de pessoas, muito menos interesses políticos, só o que lhes interessam é juntar dinheiro para estudar como conta o entrevistado. O filme foca também em mostrar como determinado público é facilmente levado a acessar cada vez mais conteúdos duvidosos e acreditam nos enredos cada vez mais absurdos.

Documentário Fake News disponível no GloboPlay
Cena do documentário Fake News: Baseado em Fatos Reais (Foto: Reprodução)

Atual pelo momento que o próprio Brasil passa com a mesma discussão, sobre grupos de WhatsApp e páginas criadas aos montes nas redes sociais que propagaram mentiras e como ajudou a determinar o resultado nas eleições brasileiras em 2018, “Fake News: Em busca da verdade por de trás das mentiras” acerta na linguagem, dinamismo e em mostrar como desconhecemos o mundo que habita na internet.

Ficha Técnica

ANO DE LANÇAMENTO: 2017
GÊNERO: Documentário – tecnologia/politica
PAÍS: Brasil
DIREÇÃO: André Fran
ONDE VER: Globosat/Globoplay

The Great Hack Privacidade Hackeada

Seguindo a mesma temática do documentário brasileiro, “Privacidade Hackeada” vai além das interferências das Fake News na política mundial, procura debater a fundo como as informações pessoais de milhões de pessoas são utilizadas de maneira indiscriminada por campanhas e empresas milionárias. No mundo globalizado de hoje tudo o que fazemos produzimos dados, cada transação bancaria, telefonema, acesso às redes sociais, em tudo deixamos rastros e sem nem mesmo saber, estamos sendo monitorados. Esses rastros são coletados por essas empresas e podem ser usados contra nós, interferir em nossas escolhas e liberdade de expressão, o chamado algoritmo nos torna um produto que gera milhões a homens poderosos e cada vez mais ricos. Parece teoria da conspiração louca, mas o diretor acerta em relatar com materiais e provas de como as coisas saíram do controle.

Lançado em 2019 o filme aborda como o sonho de um mundo conectado se tornou um grande pesadelo provocando polarização política e moral. A falta de leis que punam severamente a prática de utilizar esses dados sem o consentimento das pessoas, ainda está em discussão em diversos países e é urgentemente necessária para que haja um limite dentro de esfera cibernética. O documentário acompanha Brittany Kaiser, uma mulher que trabalhou para Cambridge Analytica, uma das empresas responsáveis pela campanha de Donald Trump, que usou esses dados de maneiras questionáveis. Hoje Brittany se dedica a denunciar essas práticas e os métodos questionáveis utilizados não só da empresa em que trabalhou, como outras que participaram e fazem do uso desse material, como o Facebook.

Documentário Privacidade Hackeada disponível na Netflix
A jornalista investigativa do jornal The Guardian, Carole Cadwalladr, responsável por desbaratar o esquema da Cambridge Analytica

Além de mostrar o trabalho de jornalistas investigativos que tentam a todo custo denunciar e provar que essa prática tem interferido muito mais do que nos resultados das eleições de um determinado país. De extrema importância, o longa é detalhista em apresentar como tudo está ligado e como milhões de usuários estão alheios na coleta de informações, ao fazerem um teste em uma página ou utilizar um aplicativo da “moda”. “Privacidade Hackeada” vale a pena pelo alerta de como é necessário o cuidado ao navegar pela internet e claro pelas denúncias assustadoras.

Ficha Técnica

ANO DE LANÇAMENTO: 2019
GÊNERO: Documentário –tecnologia/politica
PAÍS: Estados Unidos
DIREÇÃO: Karim Amer e Jehane Noujaim
ONDE VER: Netflix

The Square – A Praça Tahrir

O ano é 2011. Enquanto países do Ocidente comemoravam os resultados de suas eleições democráticas, como era o caso do Brasil, nem imaginavam que do outro lado do mundo, precisamente no nordeste da África, no Egito, um dos países que detém uma das histórias mais antigas, entrava em erupção. Milhares de pessoas tomaram as ruas e as praças da capital no Cairo, exigindo transparência do governo e a saída do então ditador Hosni Mubarak acusado de corrupção. O documentário insere o público em uma realidade completamente diferente do eixo Estados Unidos/Europa. Um povo diverso em etnia, religião e cultura imerso em pobreza e fome que de longe lembrava a próspera e rica nação que um dia foi o centro da civilização, mas que sabia que somente um movimento popular seria capaz de mudar o curso daquela sociedade.

O filme acompanha a luta de Kalid Abdalla, Madgy Ashour um fervoroso muçulmano que acredita na união do povo independente de religiões e o jovem Ahmed Hassan, um idealista que deseja a todo custo ver o seu país livre da miséria com direitos e condições iguais para todos. A câmera segue esses homens em meio aos protestos, bombas de gás lacrimogênio, reuniões e nas belas comemorações. Capta um misto de sentimentos expostos nos rostos cansados de homens e mulheres que juntos – a importância de ressaltar isso para que as pessoas desconstruam a noção de que todo país muçulmano ou do Oriente Médio é tudo igual – conseguiram derrubar o ditador Mubarak que estava há 30 anos no poder e impusera um regime de injustiça e repressão, e mais dois governos que vieram depois, sendo um deles formados por militares.

Ahmed faz denúncias das torturas sofridas e das humilhações que os egípcios eram submetidos. Do mesmo diretor de “Privacidade Hackeada”, Jehane Noujaim não poupa o público das imagens fortes,“The Square” mostra de maneira crua a realidade de um país devastado, mas que possuía uma geração com vontade de mudança, cansada de passividade e que ansiava por educação, democracia e liberdade. O maior trunfo e armas desses jovens para expor para o mundo o que estava ocorrendo ali, é a internet que foi extremamente essencial nesse contexto e foi através das redes sociais que revelavam as atrocidades da polícia e os conflitos. Foi assim que conseguiram chamar a atenção da mídia internacional, mas que também pouco deu importância para a grandiosidade do que estava ocorrendo no Cairo. Mais uma vez o diretor acerta em mostrar que mesmo nas revoluções, há quem se aproveite da narrativa para tentar mais uma vez usurpar e usar do que estava ocorrendo como uma nova forma de controlar o povo. O filme apesar de impiedoso é belo ao mostrar a força do povo. Talvez a história seja realmente cíclica e talvez o melhor disso é que sempre haverá um tempo que uma geração se rebelará contra a ignorância.

Ficha Técnica

ANO DE LANÇAMENTO: 2013
GÊNERO: Documentário – politica/conflito
PAÍS: Egito, Reino Unido e Estados Unidos
DIREÇÃO: Jehane Noujaim
ONDE VER: Netflix

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *